14/10/2018

Por que o número de furacões está aumentando com o aquecimento global?

Harvey, Irma, Maria, Florence…Você já teve a impressão que o número de furacões aumentou nos últimos tempos? Se a resposta for sim, saiba que está correto: um estudo publicado na revista Science mostrou que 2017 foi um ano acima da média para esse tipo de fenômeno – e o culpado pode ser o aquecimento global. De acordo com a pesquisa, o Oceano […]
14/10/2018

USP oferece curso de história do Brasil de graça e online

Conhecer a história de um país é fundamental para entender como as sociedades se organizaram e chegaram até o momento presente, auxiliando a compreender os problemas que persistem e a buscar alternativas para solucioná-los. Criada em 2009, a Univesp TV é um canal de televisão que produz e veicula conteúdo acadêmico ligado à USP, Unicamp, Unesp e Univesp, a Universidade Virtual do […]
14/10/2018

ONGs se organizam para impedir extinção de 11 Unidades de Conservação em Rondônia

No dia 25 de setembro, deputados da  Assembleia Legislativa de Rondônia aprovaram o Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 242/2018, que visa extinguir 11 Unidades de Conservação no estado. A tramitação foi feita em menos de uma hora e não teve nenhum voto contrário, além de não existirem estudos técnicos ou debates com a sociedade que embasem a decisão. Além disso, o […]
14/10/2018

Aquecimento global pode matar ursos polares de fome, diz estudo

A comida que alimenta a existência dos ursos polares há anos pode acabar, e com ela, a própria espécie corre o risco de desaparecer. Tudo graças, é claro, às mudanças climáticas, de acordo com estudo. No passado, quando as temperaturas subiram e derreteram o gelo do mar Ártico, os cientistas acreditam que as criaturas sobreviveram revirando carcaças de baleias até […]
07/09/2018

A cervejaria ecológica que tem um ciclo de produção sustentável de ponta a ponta

Beber cerveja pode parecer uma atitude inofensiva para o meio ambiente, mas tudo tem o seu impacto… Já falamos sobre a importância de dar preferência à bebidas em lata – e uma empresa australiana vai mais longe para garantir a sustentabilidade da nossa gelada. A Urban Alley Brewery, localizada em Melbourne, pensou no impacto da cerveja de ponta a ponta. Através da parceria […]

Fonte:Deutsche Welle

A desigualdade no Brasil é uma das maiores do mundo, segundo a Pesquisa Desigualdade Mundial 2018, uma compilação de dados globais coordenada pelo economista francês Thomas Piketty e divulgada nesta quinta-feira (14/12), em Paris.

Segundo dados do relatório, em 2015, 27% da renda do Brasil estavam nas mãos do 1% mais rico da população – a maior discrepância do planeta. Na comparação, o país aparece à frente, por exemplo, de Rússia (20%), EUA (20%), China (14%) e Índia (21%).

O resultado acompanha uma tendência mundial: a renda cresceu para todos, inclusive os mais pobres, mas foram os ricos que abocanharam a maior fatia do crescimento. Em suas estimativas, os economistas responsáveis pelo estudo se mostraram preocupados com o possível agravamento da situação global até 2050.

Os dados mostram que a desigualdade de renda aumentou desde 1980 em quase todas as regiões do mundo, mas o crescimento mais acelerado tem sido registrado na China, Rússia e Índia e na América do Norte. Enquanto os dados mostram que a fase de políticas mais igualitárias depois da Segunda Guerra terminou, as sociedades na América do Sul, África e no Oriente Médio se tornaram ainda mais desiguais.

De acordo com o estudo, intitulado World Inequality Report e que teve como um dos principais coordenadores Lucas Chancel, da Escola de Economia de Paris, além do próprio Piketty, autor do best-seller O Capital no século 21, a parte da riqueza nacional nas mãos de 10% dos contribuintes mais ricos passou de 21% a 46% na Rússia e de 27% a 41% na China, entre 1980 e 2016. Nos EUA e no Canadá, este índice passou de 34% a 47%, enquanto na Europa foi registrado um aumento mais moderado – de 33% a 37%.

Pódio da desigualdade

Mas houve exceções ao padrão de crescimento vertiginoso. “No Oriente Médio, África subsaariana e Brasil, as desigualdades permaneceram relativamente estáveis, mas a níveis muito elevados”, afirmou o documento.

As três regiões formam o pódio da desigualdade no mundo: África subsaariana (54%), Brasil e Índia (55%) e o Oriente Médio (61% da renda nas mãos dos 10% mais ricos). Segundo os pesquisadores, essas regiões são as “fronteiras da desigualdade”.

No caso do Brasil, o documento se baseia num estudo publicado em setembro por um discípulo de Piketty, o irlandês Marc Morgan. O trabalho gerou controvérsia, pois sugeriu que a desigualdade no Brasil é muito maior do que indicada em outras pesquisas, apesar dos avanços sociais observados nos últimos anos. Estes dados também se limitam ao período entre 2001 e 2015.

A renda nacional total cresceu 18,3% no período analisado, mas 60,7% desses ganhos foram apropriados pelos 10% mais ricos, contra 17,6% das camadas menos favorecidas. A expansão foi feita às custas da faixa intermediária de 40% da população, cuja participação na renda nacional caiu de 34,4% para 32,4%.

De acordo com o estudo, a queda se deve ao fato de que essa camada da população brasileira não se beneficiou diretamente das políticas sociais e trabalhistas dos últimos anos e nem pôde tirar proveito dos ganhos de capital (como lucros, dividendos, renda de imóveis e aplicações financeiras), restritos aos mais ricos.

Em termos de evolução, a divergência é “extrema entre a Europa Ocidental e os Estados Unidos, que tinham níveis de desigualdade comparáveis em 1980, mas se encontram atualmente em situações radicalmente diferentes”, destacou o estudo.

Em 1980, a parte da riqueza nacional nas mãos de 50% dos contribuintes mais pobres era quase idêntica nas duas regiões: 24% na Europa Ocidental e 21% nos EUA. Desde então, o índice permaneceu estável, a 22%, no lado europeu e caiu a 13% no americano.

De acordo com Piketty, um fenômeno que se deve pela “queda das rendas da menor faixa” nos Estados Unidos, mas também por uma “desigualdade considerável na área de educação e uma tributação cada vez menos progressiva neste país”.

A principal vítima desta dinâmica, segundo o relatório, baseado em 175 milhões de dados fiscais e estatísticas computadas pelo projeto wid.world (wealth and income database), é a classe média mundial.

Entre 1980 e 2016, o 1% dos mais ricos obteve 27% do crescimento mundial. Os 50% mais pobres receberam apenas 12% da riqueza, mas viram sua renda aumentar significativamente. O que não aconteceu com as pessoas entre as duas categorias, cujo “crescimento da renda foi frágil”.

Os autores do estudo anteciparam um novo crescimento até 2050, com base nas atuais tendências. A participação do patrimônio dos mais ricos aumentaria assim de 33% a 39%, enquanto a classe média mundial veria sua participação no patrimônio cair de 29% a 27%.

 

srzz

O que você irá deixar para o mundo?

Conheça o Sou Resíduo

14/12/2017

Estudo põe Brasil entre os mais desiguais do mundo

Fonte:Deutsche Welle A desigualdade no Brasil é uma das maiores do mundo, segundo a Pesquisa Desigualdade Mundial 2018, uma compilação de dados globais coordenada pelo economista francês Thomas Piketty e divulgada nesta quinta-feira (14/12), em Paris. Segundo dados do relatório, em 2015, 27% da renda do Brasil estavam nas mãos do 1% mais rico da população – a maior discrepância […]
11/12/2017

Obras do IEB integram exposição inédita sobre Tarsila do Amaral

Fonte: Jornal da USP Pela primeira vez, a artista plástica brasileira Tarsila do Amaral (1886-1973) é tema de uma grande exposição nos Estados Unidos e que contará com 16 obras do acervo do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da USP, entre desenhos e fotografias, além do catálogo e a capa do programa da Semana de Arte Moderna de 1922, o livro Pau Brasil e […]
11/12/2017

Funcionários públicos de BH agora têm horta orgânica no trabalho

Fonte:thegreenestpost Mexer com a terra e cultivar mudas e plantas é uma ótima terapia para muita gente. Já pensou que bacana então praticar esse passatempo dentro do próprio local de trabalho? Pois os servidores da Superintendência de Limpeza Urbana de Belo Horizonte adotaram a prática: agora os funcionários do local têm uma horta à sua disposição para cultivar alimentos orgânicos. Além de […]
08/12/2017

O xodó dessa foca com uma versão sua de pelúcia é puro amor

Fonte: RPA Essa é a imagem mais comovente que você vai ver hoje! Em um santuário da vida marinha chamado Ohkotsk Tokkari Center, em Mombetsu, uma cidade da Província de Hokkaido, no Japão, vive uma foca sem orelha que não consegue ficar um minuto longe de uma versão de pelúcia de si mesma. Os funcionários do parque jamais poderiam imaginar como a foca receberia […]