25/07/2018

Brasil desperdiçou seis Cantareiras cheios em um ano devido a perdas na distribuição

A perda por água potável no sistema de distribuição chega a R$ 10 bilhões por ano. É o que aponta o novo estudo do Movimento Menos Perda, Mais Água, do Pacto Global, iniciativa da ONU, feito com o Instituto Trata Brasil e com a GO Associados, que será apresentado hoje em evento na Fiesp sobre a Semana do Meio Ambiente. […]
25/07/2018

Casal pinta casa com quadro de Van Gogh para filho autista não se perder

‘A Noite Estrelada’ é um dos quadros mais conhecidos de Vincent Van Gogh, e está ajudando o filho do casal Nancy Nembhauser e Lubomir Jastrzebski a não se perder na volta para a casa. O jovem de 25 anos tem autismo e é fascinado pelas obras do pintor holandês. “Assim, se ele mencionar a casa de Van Gogh, as pessoas podem ajudá-lo a localizar”, […]
25/07/2018

Queda nos custos das baterias impulsiona uso de fontes eólica e solar

A energia eólica e a energia solar deverão aumentar para quase 50% da geração mundial até 2050 devido à redução drástica de custos e ao advento de baterias mais baratas, o que permitirá que a eletricidade seja armazenada e descarregada para atender a mudanças na demanda e no fornecimento. Nesta 3ª feira, 19 de junho, a Bloomberg NEF (BNEF), fonte primária […]
25/07/2018

Que governo que nada! 90% do lixo reciclado no Brasil é graças aos catadores de recicláveis

Enquanto a Suécia já recicla 99% do seu lixo e a União Europeia garante a reciclagem ou compostagem de 46% dos resíduos que gera, no Brasil apenas T-R-Ê-S por cento do lixo produzido é reciclado. Uma vergonha, que seria ainda pior se não fossem os nossos catadores de recicláveis! Pesquisa realizada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) apontou que quase 90% do lixo que é reciclado no Brasil só […]
25/07/2018

Um país devastado pelas chamas

Até a tarde desta segunda-feira (23/07), tudo parecia em ordem na localidade de férias de Rafina, a noroeste de Atenas: grandes famílias se bronzeavam na praia, casais jovens tomavam tranquilamente o seu café, agricultores trabalhavam nos campos. De repente, irrompeu o fogo, que, devido ao vento forte alastrou-se com rapidez nunca vista na região, saindo de controle. Milhares de pessoas […]

Fonte: sossolteiros

Parece que o jogo virou. Especialistas do mundo inteiro estão indo na contramão da crença popular de que comer de 3 em 3 horas é a melhor forma de se alimentar.

O jejum quando acompanhado por um profissional, está ganhando destaque entre as dietas saudáveis, como falamos nesse texto (inclusive a Bela Gil aprova).

 Mark Mattson, chefe do Laboratório de Neurociência do Instituto Nacional de Envelhecimento e professor na Universidade Johns Hopkins, foi além e revelou em uma das palestras do TEDx que, além de não prejudicar nossa saúde, passar longos períodos sem comer pode trazer benefícios gigantescos ao nosso cérebro!

De acordo com o especialista, os benefícios do jejum podem ser comparados aos benefícios que a prática de atividades físicas traz ao corpo humano.

As diversas pesquisas realizadas por Mattson e sua equipe apontaram que a restrição alimentar e calórica aumenta a produção de fatores neurotróficos que promovem o crescimento de neurônios, melhorando a conexão entre eles e dando mais força para as sinapses.

Como assim, Brasil?

Quando você está com fome e não se alimenta, o cérebro meio que entra em um estado de alerta, fica mais ativo e começa a desencadear reações para se adaptar a essa realidade. Basicamente é a mesma coisa que acontece aos animais quando passam longas horas ou até dias em jejum atrás da caça – afinal, somos animais também.

Uma dessas reações de adaptação feitas pelo cérebro humano no período de jejum é o aumento da produção de mitocôndrias nos neurônios. Essa alteração faz com que a habilidade dos neurônios de se conectarem também aumente, o que acaba promovendo uma melhor absorção de informações, favorecendo o aprendizado e a memória, revela Mattson.

Além disso, a prática dessa dieta, segundo este estudo publicado no site científico The American Journal of Clinical Nutrition, está associada à redução de doenças cardiovasculares, câncer e ainda no tratamento de diabetes.

E mais, de acordo com o especialista, estudos feitos pela Universidade do Sul da Califórnia constataram que o jejum, além de proteger nosso sistema imune, ainda é capaz de regenerá-lo.

No período que passamos sem nos alimentar, nosso corpo começa a poupar energia e assim, ele acaba “matando” algumas células imunes velhas que não estão mais trabalhando corretamente. Depois de tirar todas do nosso organismo, quando a gente se alimenta novamente, cria-se novas células imunes, novinhas em folha.

Ou seja, o jejum acaba fazendo uma “faxina celular” no organismo, jogando as velhas fora e criando, a partir das células tronco, novas células, prontinhas para turbinar o funcionamento do nosso corpo, capazes até de reparar nosso DNA.

De acordo com o neurocientista, todas essas alterações no nosso organismo e cérebro são capazes de prolongar nossa vida e ainda retardar ou evitar o aparecimento de doenças degenerativas, como o Alzheimeir e o Parkinson, por exemplo.

“Desafios para o cérebro, seja por jejum intermitente ou exercício vigoroso… é um desafio cognitivo. Quando isso acontece circuitos neurais são ativados, níveis de fatores neurotróficos aumentam, e isso promove o crescimento de neurônios e a formação e fortalecimento das sinapses. Nós não poderíamos prever que o jejum prolongado poderia ter um efeito tão impressionante na promoção de regeneração baseada em célula tronco” – revelou Mark Mattson.

Se são tantos benefícios, por que parece tão errado ficar sem comer?

Antes de tudo, é preciso deixar bem claro que a prática dessa dieta e todos os benefícios que ela pode trazer a nossa saúde só são reais quando tudo é feito com acompanhamento profissional. Parar de comer sem a orientação de um nutricionista pode levar a uma defasagem de vitaminas e o que era para te fazer bem, pode tomar proporções terríveis para sua saúde.

Existem várias formas de seguir essa restrição alimentar, como o modelo “5 por 2”, que consiste em fazer o jejum por algumas horas durante dois dias da semana e nos outros cinco dias, comer normalmente. E de fato, não é necessário passar 24 horas completamente em jejum.

Conforme explicamos neste texto, especialistas sugerem reservar algumas horas do dia, preferencialmente a noite, por exemplo, não se alimentar das 7 da noite até as 7 da manhã.

Pode parecer bastante difícil, mas, conforme o neurocientista explicou em sua palestra, esse é um novo “hábito” que deve ser inserido na sua rotina aos poucos. Com o tempo fica fácil nos adaptarmos ao jejum.

Mas então, por qual motivo essa história de comer de 3 em 3 horas é tão difundida?

O neurocientista tem a resposta na ponta da língua: é bom para os negócios!

De acordo com Mattson, tanto a indústria farmacêutica quanto a alimentícia não pouparam esforços para difundir essa informação. Conforme aponta o especialista, se todos soubessem dos reais benefícios de passar algumas horas sem se alimentar, toda a grana que gira em torno da nossa alimentação sofreria grandes alterações. Ou seja, poderosos perderiam dinheiro. Muito dinheiro.

Imagine se as pessoas que sofrem com essas doenças citadas, como as cardiovasculares, diabetes ou doenças degenerativas, tomassem conhecimento de que uma mudança na rotina de alimentação pode tratar todos os males. Certamente elas iriam menos à farmácia, logo a indústria farmacêutica perderia dinheiro.

Sem contar que esse esquema “Tele-Sena” (comer de 3 em 3 horas), faz com que o consumo de comidinhas rápidas (barrinhas, lanchinhos e afins) aumente significativamente. Sem esse sistema, a indústria alimentícia perderia uma boa parcela do mercado.

Diversos especialistas questionam a validade das pesquisas científicas financiadas justamente por essas indústrias. Inclusive em sua palestra (veja o vídeo ao final desse artigo) Mark Mattson diz que os resultados sobre os benefícios da alimentação de 3 em 3 horas estão nessa lista de estudos duvidosos. O documentário “What The Health“, disponível na Netflix, detalha como esse financiamento funciona – vale assistir!

Além deste estudo, publicado no site científico NBCI, ter revelado que realmente comer a cada três horas não favorece nosso metabolismo e pode até favorecer o aumento do peso, Yoshinori Ohsumi, biologista celular e Nobel de Medicina em 2016, também constatou que o jejum é um arma poderosa à favor da saúde.

Neste estudo, feito por Ohsumi, foi comprovado a renovação celular e os benefícios diversos da dieta restritiva, já citados por Mattson em sua palestra ao TEDx.

Chamando essa reação de “Autofagia”, o estudo feito pelo ganhador do Nobel de Medicina criou grande polêmica ao comprovar que ficar um tempo sem comer elimina as células ruins do organismo e posteriormente cria células novas, mais eficazes para o bom funcionamento do nosso corpo, além de ser eficaz no combate dos malefícios do envelhecimento e na cura de doenças degenerativas.

Ou seja, não faltam estudos e especialistas renomados apoiando o jejum como uma poderosa ferramenta para nossa saúde. Se ficou com vontade de começar esse novo “desafio”, é preciso ser responsável. Em hipótese alguma pare de comer sem a supervisão de um nutricionista.

Veja abaixo a palestra completa de Mark Mattson (em inglês, mas dá pra ativar a legenda em português):

 

srzz

O que você irá deixar para o mundo?

Conheça o Sou Resíduo

09/11/2017

NOBEL DE MEDICINA É CATEGÓRICO: JEJUM É MUITO MELHOR DO QUE COMER A CADA 3 HORAS

Fonte: sossolteiros Parece que o jogo virou. Especialistas do mundo inteiro estão indo na contramão da crença popular de que comer de 3 em 3 horas é a melhor forma de se alimentar. O jejum quando acompanhado por um profissional, está ganhando destaque entre as dietas saudáveis, como falamos nesse texto (inclusive a Bela Gil aprova).  Mark Mattson, chefe do Laboratório de Neurociência do Instituto […]
07/11/2017

Empresa no Japão dá dias extras de férias para funcionários não fumantes

Fonte: razoes para acreditar Uma empresa no Japão teve uma ideia criativa para motivar seus funcionários a pararem de fumar. A Piala Inc., ofereceu aos funcionários não fumantes, seis dias extras de férias por ano. Esta nova política, introduzida em setembro, tem como objetivo compensar as pausas que os fumantes fazem. Eles gastam cerca de 15 minutos cada um. “Uma das […]
07/11/2017

Acordos climáticos atuais não vão frear o aquecimento

Fonte: National Geographic Brasil O mundo não está fazendo o suficiente para conter suas emissões de carbono, adverte um novo relatório da ONU. Em auditoria do Acordo de Paris divulgada na última semana, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente revelou que, se as ações para combater as mudanças climáticas se limitarem apenas às promessas atuais, a Terra ficará pelo […]
01/11/2017

Seu smartphone é feito de forma sustentável? Veja quais são as marcas que menos agridem o meio ambiente

Fonte: thegreenestpost Em praticamente todo lugar, conseguimos ouvir alguém falando sobre a incrível tecnologia dos novos smartphones que a Apple, Samsung, Google e outras marcas vêm criando. Cada vez mais rápidos, poderosos, capazes de tirar fotos incríveis em milissegundos, são aparelhos muito impressionantes. Mas, afinal, o que essas empresas inovadoras estão fazendo para tornar essa tecnologia cada vez mais sustentável? O Greenpeace lançou o Guia dos Eletrônicos […]