Já imaginou um Mundo Sem Bitucas?
05/06/2020
Lei que combate o desperdício de alimentos é aprovada
26/06/2020

Como funciona uma operação de gestão sustentável de resíduos?

Você provavelmente já deve ter passado em alguma área de uma loja, restaurante, ou até uma gigante do varejo onde o lixo é armazenado. Em alguns poucos casos vemos materiais ordenados por tipo, sinalização, maquinário etc, mas na grande maioria o que vemos é uma verdadeira bagunça.

A diferença entre um cenário e outro é uma gestão sustentável de resíduos. Dessa forma o que era desperdício se torna matéria prima, o que era prejuízo se torna em alguns casos redução de custos e o que deteriorava a imagem do local se torna uma ação ambiental pronta para ser comunicada aos usuários!

Mas alem de vontade de ser sustentável o estabelecimento que faz uma boa gestão de resíduos também esta de acordo com a legislação. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10) determina que estabelecimentos comerciais que geram mais resíduos do que o volume considerado domiciliar devem apresentar um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, o PGRS. Esse plano traz algumas diretrizes e elementos que tornam possível a sustentabilidade quanto aos resíduos gerados pelas empresas.

Em algumas etapas é possível melhorar e muito a relação do estabelecimento com os resíduos gerados. Separamos algumas a seguir:

Diagnóstico: caracterização do empreendedor e empreendimento

Cada tipo de estabelecimento gera diferentes resíduos em diferentes fluxos. Nesse momento o empreendedor é caracterizado de acordo com o tipo de atividade: se atende público externo ou somente interno, como funciona a alimentação, se há espaço para tratamento de resíduos orgânicos in loco, qual o espaço para acondicionamento dos resíduos etc.

Responsabilidade técnica: profissionais e fornecedores

A transparência deve acontecer como parte integrante ao projeto. Ter um relatório com indicadores sobre a quantidade e volume da cada tipo de resíduo gerado tornar a gestão cada vez mais eficiente. É importante contratar um fornecedor de coleta que tenha todas essas informações alem da destinação dada para cada material.

Veja também: Tudo que você precisa saber sobre Gestão de Resíduos

Caracterização dos resíduos gerados: procedimentos em relação aos resíduos

Antes dos resíduos serem gerados eles eram embalagens ou produtos. Nesse momento vale repensar as compras para que gerem menos resíduos no futuro. Outro aspecto é o levantamento de possíveis resíduos perigosos que estejam sujeitos ao processo de logística reversa.

Uma vistoria técnica na área onde são gerados e armazenados os resíduos permite entender a tipologia, o volume e o fluxo dos materiais. A reciclagem só é possível quando os materiais estão limpos e armazenados de forma correta.

Estrutura e sinalização

É necessária uma avaliação dos ambientes para segregação em três frações: recicláveis, compostáveis e rejeitos. Nesse momento é importante verificar se há necessidade de compras de equipamentos. O ideal é que os equipamentos estejam de acordo com a estrutura e identidade visual do ambiente. É essencial que haja sinalização dos ambientes com recomendações para disposição adequada de resíduos.

Educação ambiental

Para que o material seja separado e acondicionado corretamente todos os envolvidos devem estar cientes do processo de descarte. Os colaboradores internos devem ser submetidos a um treinamento para que coloquem os materiais de forma correta nos contentores. O público externo deve ter a disposição uma sinalização que induza o descarte correto.

Triagem e destinação final

Em estabelecimentos de grande porte é necessário que exista um profissional dedicado ao processo de triagem ou até mesmo uma equipe para separar os materiais por tipo e acondiciona-los corretamente. Esses profissionais devem utilizar os equipamentos de proteção individual corretos e terem a sua disposição uma central de triagem com espaço adequado para separação e acondicionamento dos materiais. Equipamentos de triagem como prensas e balanças também são recomendados para estabelecimentos de grande porte.

Compostagem institucional

A compostagem institucional é realizada em organizações públicas, privadas ou do terceiro setor que tratam os resíduos orgânicos na própria sede. Os métodos mais comuns são o minhocário e as leiras estáticas. O minhocário permite a compostagem somente de frutas, legumes, cascas de ovos e café. A leira estática permite a compostagem de todos os tipos de resíduos orgânicos. É uma forma tratamento de resíduos que elimina necessidade de transportar o material orgânico e ainda gera adubo como produto. Esse adubo pode ser utilizados no paisagismo ou horta da empresa.

Vinicius Silva mostra composteira em empresa

Saiba mais sobre COMO TORNAR SUA EMPRESA RESÍDUO ZERO!

O Movimento Sou Resíduo Zero surge com o objetivo de engajar pessoas, comunidades e empresas a planejarem e gerenciarem seus resíduos, enfatizando a não geração e uma grande mudança na forma atual do fluxo de materiais na sociedade. O envolvimento e engajamento de Empresas na disseminação do conceito Resíduo Zero significa design e gerenciar produtos e processos que sistematicamente evitam e eliminam a quantidade e toxicidade de resíduos e materiais, conserva e recupera recursos, e não queima ou enterra materiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 14 =