24/11/2020

Comércio grande gerador precisa emitir MTR: novo documento eletrônico para gestão de resíduos

Estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços que gerem no território nacional resíduos perigosos e resíduos não perigosos – como sobras de tecidos, papeis e resíduos equiparados aos domésticos, porém em grande quantidade –, deverão emitir, a partir de 1º de janeiro de 2021, o Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR). Estas empresas, consideradas grandes geradores, também devem ter Plano […]
09/11/2020
Foto por Cleber Souza para UOL

Lixo invade estação da linha 6-Laranja do metrô; obra se arrasta há 5 anos

“Aqui é um caos. Às vezes eu acho que não vou ver esse metrô pronto nunca”, reclama André do Nascimento, 58, que mora na Brasilândia, zona norte de São Paulo, há 50 anos. O “metrô” a que ele se refere é a Linha 6-Laranja, que começou a ser construída em 2015, mas teve as obras paradas em setembro de 2016, […]
03/11/2020

Pequenas marcas de cosméticos dão exemplo sustentável de ponta a ponta

Desde a escolha da matéria-prima, de fontes renováveis, até a entrega do produto, para garantir destino das embalagens, empreendedores veem alta nas vendas com busca por mais saúde na pandemia Conheça as iniciativas Óleo corporal de calêndula para problemas de pele e inflamações, suavizador vegano de olheiras com alecrim e olíbano, água micelar orgânica com extrato de aloe vera, gel […]
20/10/2020

Os descaminhos do Lixo – Opinião Estadão

Há um grande contingente de pessoas não atendidas por serviços de coleta, e o setor apresenta déficits consideráveis em relação à coleta seletiva, recuperação de materiais e disposição dos resíduos sólidos Nos últimos anos houve uma melhora quantitativa e qualitativa na cobertura de coleta de lixo no Brasil. O avanço, contudo, foi bem menor do que o necessário: há um […]
15/10/2020

Mercado Municipal Kinjo Yamato intitulado como o primeiro Mercado Sustentável da cidade de São Paulo

Sobre o mercado A história do Mercado Municipal Kinjo Yamato tem início no antigo “Mercado Caipira” ou “25 de Março dos produtos hortifrutis”, como era chamado o local antes instalado na Várzea do Parque Dom Pedro e que se tornou conhecido pela comercialização de frutas, legumes e verduras provenientes dos campos onde trabalhavam imigrantes japoneses. Como complemento de renda, esses […]

Fonte: eco4planet

Depois de países europeus tomarem essa iniciativa, é a vez do Brasil seguir a tendência: um projeto de lei do Senado (304/2017) de autoria de Ciro Nogueira (PP-PI), pretende alterar o Código de Trânsito Brasileiro para proibir a venda de veículos movidos à gasolina ou diesel em 2030, mesmo prazo dado pela Alemanha.

E mais, dez anos depois, em 2040, passaria a ser proibido também a circulação de veículos que utilizam tais combustíveis, ou seja, um renovação completa da frota. As exceções ficam para carros de colecionadores, de estrangeiros não residentes em visita ao país (por até 180 dias) e veículos oficiais ou diplomáticos.

Na justificativa da proposta o senador defende que  “o setor de transportes responde pela sexta parte das emissões mundiais de dióxido de carbono, principal agente do efeito estufa”, e que já existem tecnologias para enfrentar a questão. E ele está certíssimo, reduzir a emissão de poluentes gerados pelos veículos tem um potencial enorme, e a tecnologia elétrica já está disponível, se desenvolvendo a cada dia.

Há um porém: a proposta excetua veículos movidos à etanol por considerá-los limpos. De fato são menos poluentes se comparados aos outros dois combustíveis, especialmente com a justificativa de que no processo de produção da cana há absorção de CO2, compensando a emissão do veículo, porém as duas coisas ocorrem em locais diferentes, ou seja, o efeito sobre grandes cidades, criando bolsões de poluição, continua, e mais, as grandes áreas de plantio de cana degradam o solo e reduzem a capacidade produtiva de alimentos, por exemplo.

O texto ainda tramita no Senado, devendo passar pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde são analisados aspectos legais, não o mérito da proposta, seguindo para a Comissão de Meio Ambiente (CMA), que poderá de fato analisar a proposta e inclusive rejeitá-la, e, nada sendo alterado, segue para à Câmara e então para sanção do presidente.

Importante lembrar que veículos elétricos abastecidos até mesmo por termoelétricas de carvão, a forma mais poluente de geração de eletricidade, ainda são menos poluentes se comparados aos combustíveis.

O Senado criou uma enquete para saber a opinião da população, vote SIM!

 

srzz

O que você irá deixar para o mundo?

Conheça o Sou Resíduo

11/09/2017

Projeto de lei quer proibir venda de veículos à gasolina ou diesel no Brasil a partir de 2030

Fonte: eco4planet Depois de países europeus tomarem essa iniciativa, é a vez do Brasil seguir a tendência: um projeto de lei do Senado (304/2017) de autoria de Ciro Nogueira (PP-PI), pretende alterar o Código de Trânsito Brasileiro para proibir a venda de veículos movidos à gasolina ou diesel em 2030, mesmo prazo dado pela Alemanha. E mais, dez anos depois, […]
18/08/2017

Pesquisas buscam diminuir o impacto ambiental da mobilidade com biocombustíveis

Fonte: Agência Brasil Diminuir os impactos ambientais é um dos desafios de quem pensa a mobilidade, contando com novas tecnologias e pesquisas para ampliar o uso de combustíveis sustentáveis. O setor do transporte foi a segunda maior causa de emissões de dióxido de carbono (CO2) no Brasil: representou 11% do total bruto de 1.927 bilhões de toneladas, ficando atrás apenas […]