G20 alcança primeiro acordo para reduzir lixo plástico no mar
G20 alcança primeiro acordo para reduzir lixo plástico no mar
17/06/2019
Pesquisa estima que 17% dos animais marinhos podem desaparecer até 2100
Pesquisa estima que 17% dos animais marinhos podem desaparecer até 2100
17/06/2019

Grupo de 633 mergulhadores quebra recorde mundial de limpeza submarina

Grupo de 633 mergulhadores quebra recorde mundial de limpeza submarina

Um grupo de 633 mergulhadores bateu o recorde mundial de maior quantidade de pessoas reunidas em um mesmo lugar para realizar uma limpeza submarina ao mesmo tempo, perto de um píer de pesca em Deerfield Beach, em Fort Lauderdale, no sul da Flórida, nos Estados Unidos.

Michael Empric, juiz do Guinness Book, anunciou o novo recorde no próprio local da limpeza, segundo um vídeo divulgado neste domingo pela “Dixie Divers”, organizadora do evento.

Segundo Empric, o recorde era ostentado até então pelo mergulhador egípcio Ahmed Gabr, que em 2015 conseguiu reunir 614 pessoas para realizar uma limpeza submarina no mar Vermelho, em Hurghada (Egito).

O novo recorde vai para a Flórida após a limpeza realizada neste sábado pela empresa Dixie Divers com o apoio do grupo de conservação marinha Project AWARE e da agência de mergulho PADI, entre outras organizações.

“Foi um sucesso”, disse na sua conta do Facebook Jack Fishman, um dos mergulhadores participantes, detalhando que foram coletadas mais de 9 mil peças de resíduos marítimos “para fazer de Deerfield Beach um lugar melhor para todos os que vivem ali, acima e abaixo das ondas”.

O lixo marinho é um tipo de poluição produzida pelo ser humano que ameaça os ecossistemas marítimos, dos quais dependem diretamente para viver cerca de 3 bilhões de pessoas.

Cerca de 80% dessa poluição é de plástico, que demora 400 anos para desaparecer e soma 150 milhões de toneladas de resíduos no mar, segundo estimativas da Comissão Europeia.

Esses restos, que frequentemente provêm de bolsas e garrafas de plástico jogadas no oceano, representam um perigo porque os elementos mais volumosos estrangulam a fauna marinha, enquanto as chamadas micropartículas de plástico são ingeridas pelos animais e passam a prejudicar toda a cadeia alimentar.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *