24/11/2020

Comércio grande gerador precisa emitir MTR: novo documento eletrônico para gestão de resíduos

Estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços que gerem no território nacional resíduos perigosos e resíduos não perigosos – como sobras de tecidos, papeis e resíduos equiparados aos domésticos, porém em grande quantidade –, deverão emitir, a partir de 1º de janeiro de 2021, o Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR). Estas empresas, consideradas grandes geradores, também devem ter Plano […]
09/11/2020
Foto por Cleber Souza para UOL

Lixo invade estação da linha 6-Laranja do metrô; obra se arrasta há 5 anos

“Aqui é um caos. Às vezes eu acho que não vou ver esse metrô pronto nunca”, reclama André do Nascimento, 58, que mora na Brasilândia, zona norte de São Paulo, há 50 anos. O “metrô” a que ele se refere é a Linha 6-Laranja, que começou a ser construída em 2015, mas teve as obras paradas em setembro de 2016, […]
03/11/2020

Pequenas marcas de cosméticos dão exemplo sustentável de ponta a ponta

Desde a escolha da matéria-prima, de fontes renováveis, até a entrega do produto, para garantir destino das embalagens, empreendedores veem alta nas vendas com busca por mais saúde na pandemia Conheça as iniciativas Óleo corporal de calêndula para problemas de pele e inflamações, suavizador vegano de olheiras com alecrim e olíbano, água micelar orgânica com extrato de aloe vera, gel […]
20/10/2020

Os descaminhos do Lixo – Opinião Estadão

Há um grande contingente de pessoas não atendidas por serviços de coleta, e o setor apresenta déficits consideráveis em relação à coleta seletiva, recuperação de materiais e disposição dos resíduos sólidos Nos últimos anos houve uma melhora quantitativa e qualitativa na cobertura de coleta de lixo no Brasil. O avanço, contudo, foi bem menor do que o necessário: há um […]
15/10/2020

Mercado Municipal Kinjo Yamato intitulado como o primeiro Mercado Sustentável da cidade de São Paulo

Sobre o mercado A história do Mercado Municipal Kinjo Yamato tem início no antigo “Mercado Caipira” ou “25 de Março dos produtos hortifrutis”, como era chamado o local antes instalado na Várzea do Parque Dom Pedro e que se tornou conhecido pela comercialização de frutas, legumes e verduras provenientes dos campos onde trabalhavam imigrantes japoneses. Como complemento de renda, esses […]

Fonte: CEMPRE

Os agricultores estão no topo da lista dos melhores recicladores, enquanto os trabalhadores de escritório ocupam a última posição. Essa é a conclusão de uma empresa de resíduos e reciclagem britânica que entrevistou representantes de vários setores da economia do Reino Unido para avaliar que grupo produziu o maior percentual de resíduos recicláveis ??em comparação com os resíduos enviados para aterro ou incineração.

A BusinessWaste constatou que setores como indústria e agricultura, cujos lucros dependem de reutilização e reciclagem, obtiveram os melhores resultados. “Percebemos que as pessoas que trabalham em escritórios não estão, de modo geral, conscientes dos custos envolvidos no simples ato de jogar todos os seus resíduos na lixeira ao lado de sua mesa”, explica Mark Hall, porta-voz da BusinessWaste. Segundo o levantamento da empresa os melhores recicladores da Grã-Bretanha são:

1. Propriedades agrícolas

2. Indústrias

3. Pubs e restaurantes

4. Varejo

5. Hospitais e clínicas

6. Escolas

Já os piores resultados ficam com:

1. Escritórios

2. Casas noturnas

3. Estabelecimentos de “takeaway food” (comida para ser consumida em outro local)

“Por que os fazendeiros são bons na reciclagem?”, pergunta Hall. “A resposta é simples: eles fazem isso há séculos e essa cultura do desperdício zero sobreviveu ao longo dos anos. De pequenas propriedades familiares a grandes empresas de agronegócio, o princípio é o mesmo: tudo é reutilizado sempre que possível. Somente o que é realmente resíduo é descartado – e com relutância.”

Segundo a BusinessWaste, o mesmo ocorre nas fábricas, mas por razões diferentes. “Cada tonelada de resíduos não recicláveis produzidos representa gastos consideráveis com seu descarte”, diz Hall. “A indústria tem feito grandes esforços para encontrar usos alternativos para seus resíduos, muitas vezes vendendo-os como matéria-prima para outros setores.” Resíduos de borracha e vidro, por exemplo, são hoje usados na produção de revestimentos de baixo ruído para estradas.

Por outro lado, os escritórios têm pouco incentivo para elevar seus índices de reciclagem. Seus funcionários não querem se incomodar ou perder tempo para se deslocar de suas mesas até a lixeira correta para descartar uma garrafa de água. “Por isso, os fazendeiros deveriam ser vistos como fonte de conhecimento, tendo muito a ensinar a executivos e outros profissionais, gerando redução de gastos e recursos naturais. Poderia ser uma excelente ideia fazer com que agricultores ensinassem a proprietários de casas noturnas como melhorar seus custos e gerir melhor seu negócio, no que diz respeito à reciclagem”, desafia Hall.

De acordo com dados do governo, o Reino Unido gerou 200 milhões de toneladas de resíduos em 2012. Metade desse total foi produzida pela construção civil, as atividades industriais e comerciais foram responsáveis por 25%, as residências ficaram com 14% e o restante está disperso em diversas fontes. A reciclagem de resíduos domésticos foi de 44,9% em 2014 – 4,5 pontos percentuais acima de 2010.

srzz

 

O que você irá deixar para o mundo?

Conheça o Sou Resíduo

20/07/2016

Os melhores e piores recicladores da Grã-Bretanha

Fonte: CEMPRE Os agricultores estão no topo da lista dos melhores recicladores, enquanto os trabalhadores de escritório ocupam a última posição. Essa é a conclusão de uma empresa de resíduos e reciclagem britânica que entrevistou representantes de vários setores da economia do Reino Unido para avaliar que grupo produziu o maior percentual de resíduos recicláveis ??em comparação com os resíduos […]