24/11/2020

Comércio grande gerador precisa emitir MTR: novo documento eletrônico para gestão de resíduos

Estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços que gerem no território nacional resíduos perigosos e resíduos não perigosos – como sobras de tecidos, papeis e resíduos equiparados aos domésticos, porém em grande quantidade –, deverão emitir, a partir de 1º de janeiro de 2021, o Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR). Estas empresas, consideradas grandes geradores, também devem ter Plano […]
09/11/2020
Foto por Cleber Souza para UOL

Lixo invade estação da linha 6-Laranja do metrô; obra se arrasta há 5 anos

“Aqui é um caos. Às vezes eu acho que não vou ver esse metrô pronto nunca”, reclama André do Nascimento, 58, que mora na Brasilândia, zona norte de São Paulo, há 50 anos. O “metrô” a que ele se refere é a Linha 6-Laranja, que começou a ser construída em 2015, mas teve as obras paradas em setembro de 2016, […]
03/11/2020

Pequenas marcas de cosméticos dão exemplo sustentável de ponta a ponta

Desde a escolha da matéria-prima, de fontes renováveis, até a entrega do produto, para garantir destino das embalagens, empreendedores veem alta nas vendas com busca por mais saúde na pandemia Conheça as iniciativas Óleo corporal de calêndula para problemas de pele e inflamações, suavizador vegano de olheiras com alecrim e olíbano, água micelar orgânica com extrato de aloe vera, gel […]
20/10/2020

Os descaminhos do Lixo – Opinião Estadão

Há um grande contingente de pessoas não atendidas por serviços de coleta, e o setor apresenta déficits consideráveis em relação à coleta seletiva, recuperação de materiais e disposição dos resíduos sólidos Nos últimos anos houve uma melhora quantitativa e qualitativa na cobertura de coleta de lixo no Brasil. O avanço, contudo, foi bem menor do que o necessário: há um […]
15/10/2020

Mercado Municipal Kinjo Yamato intitulado como o primeiro Mercado Sustentável da cidade de São Paulo

Sobre o mercado A história do Mercado Municipal Kinjo Yamato tem início no antigo “Mercado Caipira” ou “25 de Março dos produtos hortifrutis”, como era chamado o local antes instalado na Várzea do Parque Dom Pedro e que se tornou conhecido pela comercialização de frutas, legumes e verduras provenientes dos campos onde trabalhavam imigrantes japoneses. Como complemento de renda, esses […]

Fonte: Jornal da USP

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indicam que 2017 é o segundo ano com o maior número de queimadas da história. A objetividade dos números mostra que, de janeiro a setembro, 185 mil focos de incêndio foram detectados no País; em 2010, foram cerca de 194 mil ocorrências dessa natureza. Somente em setembro deste ano, mais de 95 mil queimadas atingiram florestas brasileiras.

Além da ação humana – principal responsável pela ocorrência de incêndios -, não se pode desprezar o poder dos raios, os quais contribuem com sua cota de destruição para agravar o problema. A informação é da professora Vânia Regina Pivello do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. Ela lembra que o Brasil é um dos países com maior incidência de raios no mundo, principalmente em sua região central, em que se tem uma vegetação – o cerrado – que favorece a ocorrência de queimadas.

No entanto, a grande maioria dos incêndios em florestas é mesmo proveniente da ação humana, à qual se juntam, em algumas regiões do País, longos períodos de estiagem e baixas condições de umidade do ar. Florestas úmidas, como as que abundam em São Paulo, “não queimam com facilidade” pelas suas próprias características, explica a professora Vânia. De resto, o fenômeno de incêndios florestais não é único e exclusivo do Brasil, atingindo igualmente países do Hemisfério Norte. Em Portugal e na Espanha, por exemplo, em que o verão é quente e seco e as vegetações possuem resina, a propagação do fogo é maior, assim como é mais alta a temperatura das chamas.

Ao contrário do que ocorre no cerrado, em que queimadas fazem parte de seu ciclo natural de vida, nas florestas o incêndio é prejudicial para a vegetação e para o ambiente, que se torna mais degradado à medida em que o fogo perdura. A professora Vânia diz que o homem pode agir no sentido de minimizar e prevenir os estragos, bastando para isso manter as queimadas sob controle em áreas prescritas. Ela aconselha cuidados com o entorno das florestas, a fim de minimizar os estragos causados pela queima agrícola ou queima de pastos.

 

srzz

O que você irá deixar para o mundo?

Conheça o Sou Resíduo

16/10/2017

Ação humana ainda é a maior causadora de incêndios florestais no Brasil

Fonte: Jornal da USP Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indicam que 2017 é o segundo ano com o maior número de queimadas da história. A objetividade dos números mostra que, de janeiro a setembro, 185 mil focos de incêndio foram detectados no País; em 2010, foram cerca de 194 mil ocorrências dessa natureza. Somente em setembro deste […]
06/10/2017

Setembro bateu recordes em queimadas no Brasil

Fonte: Envolverde Setembro foi o mais com mais queimadas no Brasil, nos últimos 20 anos, de acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Temperaturas altas, clima seco e falta de chuva são fatores que contribuem para o surgimento de focos de incêndio. Mas a intervenção do homem é sem dúvida alguma a principal causa dessas ocorrências, provocando […]