24/11/2020

Comércio grande gerador precisa emitir MTR: novo documento eletrônico para gestão de resíduos

Estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços que gerem no território nacional resíduos perigosos e resíduos não perigosos – como sobras de tecidos, papeis e resíduos equiparados aos domésticos, porém em grande quantidade –, deverão emitir, a partir de 1º de janeiro de 2021, o Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR). Estas empresas, consideradas grandes geradores, também devem ter Plano […]
09/11/2020
Foto por Cleber Souza para UOL

Lixo invade estação da linha 6-Laranja do metrô; obra se arrasta há 5 anos

“Aqui é um caos. Às vezes eu acho que não vou ver esse metrô pronto nunca”, reclama André do Nascimento, 58, que mora na Brasilândia, zona norte de São Paulo, há 50 anos. O “metrô” a que ele se refere é a Linha 6-Laranja, que começou a ser construída em 2015, mas teve as obras paradas em setembro de 2016, […]
03/11/2020

Pequenas marcas de cosméticos dão exemplo sustentável de ponta a ponta

Desde a escolha da matéria-prima, de fontes renováveis, até a entrega do produto, para garantir destino das embalagens, empreendedores veem alta nas vendas com busca por mais saúde na pandemia Conheça as iniciativas Óleo corporal de calêndula para problemas de pele e inflamações, suavizador vegano de olheiras com alecrim e olíbano, água micelar orgânica com extrato de aloe vera, gel […]
20/10/2020

Os descaminhos do Lixo – Opinião Estadão

Há um grande contingente de pessoas não atendidas por serviços de coleta, e o setor apresenta déficits consideráveis em relação à coleta seletiva, recuperação de materiais e disposição dos resíduos sólidos Nos últimos anos houve uma melhora quantitativa e qualitativa na cobertura de coleta de lixo no Brasil. O avanço, contudo, foi bem menor do que o necessário: há um […]
15/10/2020

Mercado Municipal Kinjo Yamato intitulado como o primeiro Mercado Sustentável da cidade de São Paulo

Sobre o mercado A história do Mercado Municipal Kinjo Yamato tem início no antigo “Mercado Caipira” ou “25 de Março dos produtos hortifrutis”, como era chamado o local antes instalado na Várzea do Parque Dom Pedro e que se tornou conhecido pela comercialização de frutas, legumes e verduras provenientes dos campos onde trabalhavam imigrantes japoneses. Como complemento de renda, esses […]

Fonte: National Geographic Brasil

Era verão na Antártica, e Erik Gulbranson e John Isbell estavam caçando.

Cobertos com agasalhos de parca para enfrentar temperaturas negativas, ventos ferozes e dias com 24 horas de luz solar, Gulbranson, Isbell e uma equipe internacional de pesquisadores procuravam fragmentos fósseis. Entre novembro de 2016 e janeiro de 2017, eles escalaram as encostas cobertas de neve do promontório McIntyre acima dos campos de gelo e geleiras, procurando indícios nas rochas sedimentares cinzentas nos Montes Transantárticos. No final da expedição, descobriram 13 fragmentos fósseis de árvores que remontam a mais de 260 milhões de anos, bem próximo do maior evento de extinção em massa do mundo.

A descoberta dos fósseis sugere um passado verde e com florestas no continente mais frio e mais seco.

UMA HISTÓRIA VERDE

“O continente como um todo era muito mais quente e mais úmido do que é hoje”, diz Gulbranson, professor da Universidade de Wisconsin, em Milwaukee. A paisagem seria densamente preenchida por florestas com uma rede de plantas resistentes de baixa diversidade que poderia resistir a extremos polares, como a floresta boreal na atual Sibéria.

“Curiosamente, esses campos estariam realmente próximos da sua atual latitude”, acrescenta.

Os fósseis preservaram a biologia e a química das árvores antigas, o que ajudará os pesquisadores a investigarem mais sobre esses ecossistemas de alta latitude e descobrir como algumas plantas sobreviveram ao evento de extinção e por que outras não. Além disso, microrganismos fósseis e fungos foram preservados dentro da madeira.

Os espécimes se parecem com as florestas petrificadas no Parque Nacional de Yellowstone, fossilizadas quando materiais vulcânicos enterraram as árvores vivas.

“Elas são realmente algumas das plantas fósseis melhor preservadas do mundo”, diz Gulbranson. “Os fungos na própria madeira foram provavelmente mineralizados e transformados em pedra em questão de semanas, às vezes enquanto a árvore ainda estava viva. Essas coisas aconteceram de forma incrível e rápida. Poderíamos ter testemunhado isso em primeira mão se estivéssemos lá.”

Os pesquisadores descobriram que as plantas pré-históricas poderiam fazer a transição rapidamente entre as estações, talvez no período de um mês. Considerando que as plantas modernas levam meses para fazer a transição e conservam a água de forma diferente dependendo da hora do dia, as árvores antigas poderiam flutuar rapidamente entre os invernos escuros e os verões perpetuamente ensolarados.

“De alguma forma, essas plantas conseguiram sobreviver não apenas quatro a cinco meses de completa escuridão, mas também quatro a cinco meses de luz contínua”, diz Gulbranson. “Nós não entendemos completamente como foram capazes de lidar com essas condições, apenas sabemos que fizeram”.

EXTINÇÃO EM MASSA

O período Permiano, entre 299 e 251 milhões de anos atrás, é marcado pelo surgimento do supercontinente Gondwana. Com a mistura dos continentes, os extremos ambientais atormentavam a massa gigante de terra, o que incluía partes da América do Norte moderna, América do Sul, África, Índia, Austrália e a Península Arábica. As calotas polares dominavam a maior parte do sul e sofriam entre verões incessantemente ensolarados e invernos escuros, enquanto o norte sofria de calor intenso e flutuações sazonais.

As criaturas pré-históricas aprenderam a se adaptar ao clima turbulento até a extinção do Permiano – Gulbranson diz que provavelmente foi causada pelo vulcanismo na atual Sibéria. O evento eliminou mais de 90% das espécies marinhas e 70% dos animais terrestres, além de abrir caminho para os dinossauros.

DE OLHO NO FUTURO

A equipe planeja continuar a pesquisa na Antártica voltando ao continente nas próximas semanas. John Isbell e outros pesquisadores já estãoa caminho, e Gulbranson irá se juntar a eles no território polar em 23 de novembro.

“Ainda é um lugar bruto e desafiador para se estar como um ser humano”, diz Gulbranson.

 

srzz

 

Implemente o Sou Resíduo Zero na sua empresa e evento e tenha uma gestão de resíduos inteligente.

Entre em contato

 

21/11/2017

Antártida já foi coberta por florestas. Encontramos o fóssil de uma

Fonte: National Geographic Brasil Era verão na Antártica, e Erik Gulbranson e John Isbell estavam caçando. Cobertos com agasalhos de parca para enfrentar temperaturas negativas, ventos ferozes e dias com 24 horas de luz solar, Gulbranson, Isbell e uma equipe internacional de pesquisadores procuravam fragmentos fósseis. Entre novembro de 2016 e janeiro de 2017, eles escalaram as encostas cobertas de neve do […]
13/11/2017

Natureza reconstrói mata melhor que homem, diz estudo

Fonte: AmbienteBrasil O método mais eficiente para recriar uma floresta tropical desmatada talvez não envolva o plantio de milhares de mudinhas de árvores, mas simplesmente deixar que a natureza faça o seu trabalho. Essa mensagem aparentemente paradoxal é a principal conclusão de um estudo recém-publicado por pesquisadores brasileiros no periódico “Science Advances”. Ao analisar os dados de 133 estudos já […]
11/09/2017

Lugar de criança também é na trilha

Fonte: Sistema Ambiental Paulista Texto: Anna Karla Moura Fotos: Arquivo SMA / Fundação Florestal Só quem é pai ou mãe sabe o quanto pode ser difícil entreter as crianças no tempo livre. Elas têm fonte inesgotável de energia e nem sempre os pais têm o mesmo pique. Na busca por algo legal para fazer e que agrade adultos e crianças, […]