24/11/2020

Comércio grande gerador precisa emitir MTR: novo documento eletrônico para gestão de resíduos

Estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços que gerem no território nacional resíduos perigosos e resíduos não perigosos – como sobras de tecidos, papeis e resíduos equiparados aos domésticos, porém em grande quantidade –, deverão emitir, a partir de 1º de janeiro de 2021, o Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR). Estas empresas, consideradas grandes geradores, também devem ter Plano […]
09/11/2020
Foto por Cleber Souza para UOL

Lixo invade estação da linha 6-Laranja do metrô; obra se arrasta há 5 anos

“Aqui é um caos. Às vezes eu acho que não vou ver esse metrô pronto nunca”, reclama André do Nascimento, 58, que mora na Brasilândia, zona norte de São Paulo, há 50 anos. O “metrô” a que ele se refere é a Linha 6-Laranja, que começou a ser construída em 2015, mas teve as obras paradas em setembro de 2016, […]
03/11/2020

Pequenas marcas de cosméticos dão exemplo sustentável de ponta a ponta

Desde a escolha da matéria-prima, de fontes renováveis, até a entrega do produto, para garantir destino das embalagens, empreendedores veem alta nas vendas com busca por mais saúde na pandemia Conheça as iniciativas Óleo corporal de calêndula para problemas de pele e inflamações, suavizador vegano de olheiras com alecrim e olíbano, água micelar orgânica com extrato de aloe vera, gel […]
20/10/2020

Os descaminhos do Lixo – Opinião Estadão

Há um grande contingente de pessoas não atendidas por serviços de coleta, e o setor apresenta déficits consideráveis em relação à coleta seletiva, recuperação de materiais e disposição dos resíduos sólidos Nos últimos anos houve uma melhora quantitativa e qualitativa na cobertura de coleta de lixo no Brasil. O avanço, contudo, foi bem menor do que o necessário: há um […]
15/10/2020

Mercado Municipal Kinjo Yamato intitulado como o primeiro Mercado Sustentável da cidade de São Paulo

Sobre o mercado A história do Mercado Municipal Kinjo Yamato tem início no antigo “Mercado Caipira” ou “25 de Março dos produtos hortifrutis”, como era chamado o local antes instalado na Várzea do Parque Dom Pedro e que se tornou conhecido pela comercialização de frutas, legumes e verduras provenientes dos campos onde trabalhavam imigrantes japoneses. Como complemento de renda, esses […]

Fonte: Green Me

É muito agradável, quando estamos caminhando por uma cidade, encontrar jardins verdes e floridos. Mas você já imaginou se deparar com uma máquina que tem uma jardim dentro andando pela cidade?

Pois ela existe e está passeando pelas ruas de Londres. Chama-se Hortum Machina, uma máquina que tem 3 metros de altura, pesa 400 quilos e funciona sem piloto ou controle remoto. O Hortum Machina, que é o primeiro jardim ambulante autônomo a rodar por aí, foi projetado pelo arquiteto brasileiro Danilo Sampaio e pelo engenheiro maltês William Victor Camilleri. Eles tiveram o apoio da escola londrina de arquitetura Bartlett, segundo conta a BBC.

A máquina tem um exoesqueleto redondo feito de alumínio reciclável. Dentro dele há várias plantas nativas britânicas. O arquiteto brasileiro diz que se inspirou nos domos futuristas idealizados pelo arquiteto estadounidense Buckminster Fuller. Segundo ele, o projeto visa a ser a extensão de um parque. Isso quer dizer que as plantas, as quais, em geral, ficam imóveis em um jardim, podem se deslocar pela cidade, sobretudo, para as regiões onde não há área verde. Para chegar à criação, os arquitetos fizeram alguns testes, como colocar as plantas em ambientes com e sem sol para saberem as reações químicas das folhas. Eles conectaram as plantas a um sistema de informação capaz de captar esses dados para transformá-los em movimentos.

O robô esférico obedece ao comando das plantas. Por exemplo, se elas acharem que o sol está muito forte, a máquina vai descansar em uma sombra. Se chove, ela gira para que todas as folhas recebam a água da chuva.

Além de ser benéfica para as plantas, nós, humanos, somos muito beneficiados pela máquina, pois o seu sistema detecta a poluição e faz com que a esfera permaneça por mais tempo no local poluído, até que a qualidade do ar melhore.

E os benefícios da engenhoca não param por aí. O Hortum Machina é capaz de espalhar sementes nativas pela cidade. O desaparecimento das plantas nativas nos centros urbanos gera um grande impacto para a biodiversidade e a saúde humana.

O projeto do Hortum Machina foi elaborado pensando nos desafios ecológicos para a humanidade e o planeta. Segundo Sampaio, a ideia foi fazer um projeto que desse autonomia às plantas para que elas habitem os espaços ocupados pelas pessoas, tornando-se mais presentes em nosso cotidiano.

srzz

 

O que você irá deixar para o mundo?

Conheça o Sou Resíduo

26/09/2016

Hortum Machina: Horta ambulante pelas ruas de Londres

Fonte: Green Me É muito agradável, quando estamos caminhando por uma cidade, encontrar jardins verdes e floridos. Mas você já imaginou se deparar com uma máquina que tem uma jardim dentro andando pela cidade? Pois ela existe e está passeando pelas ruas de Londres. Chama-se Hortum Machina, uma máquina que tem 3 metros de altura, pesa 400 quilos e funciona […]