30/04/2021

O que é a NBR 10004/2004?

A Norma Técnica Brasileira 10004/2004 tem por objetivo classificar os resíduos sólidos quanto aos seus riscos potenciais ao meio ambiente e à saúde pública, para que possam ser gerenciados adequadamente. Esta NBR não considera resíduos radioativos, ficando sob responsabilidade da Comissão Nacional de Energia Nuclear. Qual sua importância? O estabelecimento de uma padronização e codificação dos resíduos facilita o gerenciamento […]
26/04/2021

O que é MTR (Manifesto de Transporte de Resíduos)?

O Manifesto de Transporte de Resíduos – MTR é um documento que os geradores de resíduos devem emitir através do Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão de Resíduos Sólidos – SINIR, e estão sujeitos à elaboração da PGRS. O mesmo permite que os resíduos gerados e destinados sejam rastreados. O documento emitido é numerado e deverá acompanhar o transporte […]
15/04/2021

Tudo que você precisa saber sobre Gestão de Resíduos Sólidos

Qualquer tipo de negócio é um potencial gerador de resíduos, uma vez que estamos constantemente utilizando materiais e consumindo alimentos em nossas atividades diárias. Acabar com os impactos negativos da geração de lixo é um desafio e tanto, porém, de alguma forma, essas atividades podem ser mitigadas e gerar impactos positivos de âmbito social, econômico e ambiental. Fazer a gestão […]
31/03/2021

Conheça a IN IBAMA 13/2012

Entre os instrumentos definidos na Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS (Lei 12.305/10), encontramos o Cadastro Nacional de Operadores de Resíduos Perigosos e o Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais. Estes instrumentos estão atribuídos ao SISNAMA – Sistema Nacional do Meio Ambiente – que dispõe como um de seus Órgãos Executores o IBAMA […]
17/02/2021

A inconsciência que degrada, a arte que transforma

Matéria por Ana Rocha O meio ambiente e o resíduo Concordamos que nos últimos 30 anos a humanidade evoluiu em vários aspectos importantes para a nossa sobrevivência. Não podemos dizer que possuímos pouca quantidade de informação sobre como tratar o nosso lixo, já que a internet dispõe de uma tonelada de informações válidas e práticas de como proceder com os nossos […]

Fonte: WWF

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, antecipou nesta terça-feira (17) que o desmatamento na Amazônia caiu 16% entre agosto de 2016 e julho de 2017.

Segundo o ministro, no período do ano anterior (agosto de 2015 a julho de 2016), o desmatamento na Amazônia havia aumentado 29%, chegando a 7.893 quilômetros quadrados.

Sarney Filho atribuiu a queda à atuação do governo.

Mesmo assim, a área desmatada na mais recente contagem é significativa. São 6.624 quilômetros quadrados de corte raso na maior floresta tropical contínua do mundo.

“Apesar da pequena queda, ainda não podemos comemorar. A taxa deste ano ainda é maior do que a média dos últimos nove anos. E o Brasil não pode seguir destruindo seu patrimônio natural desta forma”, reagiu o diretor executivo do WWF-Brasil, Mauricio Voivodic.

Ele lembra que o desmatamento não resulta em ganho de riqueza ou prosperidade para as regiões. Segundo Voivodic, os estados da Amazônia seguem com baixíssimos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) e PIB per capta, além de sofrerem mais com a crise econômica se comparados com outras regiões do país.

“O governo federal ainda tem baixa governança e planejamento para a região amazônica e por isso segue tentando tapar o ralo com as mãos, sem substituir o atual modelo de desenvolvimento por outro, que gere riqueza para a região mantendo a floresta em pé e toda sua diversidade cultural e biológica”, afirmou Voivodic.

Dados parciais

Conforme o ministro, a maior parte do desmate ocorreu no Pará (2.413 km²) e no Mato Grosso (1.341 km²). Além dos dois estados, a região da Amazônia Legal é composta por Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, porém os números para esses estados ainda não foram revelados.

Para Jaime Gesisky, especialista em Políticas Públicas do WWF-Brasil, é difícil fazer uma análise mais profunda sem os dados completos do Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes), ligado ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), do governo federal.

Segundo ele, falta esclarecer também quanto o desmatamento atingiu em unidades de conservação federais e estaduais, as maiores vítimas do desmatamento na contagem do ano anterior.

 

 

srzz

O que você irá deixar para o mundo?

Conheça o Sou Resíduo

 

18/10/2017

Desmatamento na Amazônia cai 16% no último ano, diz Sarney Filho

Fonte: WWF O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, antecipou nesta terça-feira (17) que o desmatamento na Amazônia caiu 16% entre agosto de 2016 e julho de 2017. Segundo o ministro, no período do ano anterior (agosto de 2015 a julho de 2016), o desmatamento na Amazônia havia aumentado 29%, chegando a 7.893 quilômetros quadrados. Sarney Filho atribuiu a queda […]