30/04/2021

O que é a NBR 10004/2004?

A Norma Técnica Brasileira 10004/2004 tem por objetivo classificar os resíduos sólidos quanto aos seus riscos potenciais ao meio ambiente e à saúde pública, para que possam ser gerenciados adequadamente. Esta NBR não considera resíduos radioativos, ficando sob responsabilidade da Comissão Nacional de Energia Nuclear. Qual sua importância? O estabelecimento de uma padronização e codificação dos resíduos facilita o gerenciamento […]
26/04/2021

O que é MTR (Manifesto de Transporte de Resíduos)?

O Manifesto de Transporte de Resíduos – MTR é um documento que os geradores de resíduos devem emitir através do Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão de Resíduos Sólidos – SINIR, e estão sujeitos à elaboração da PGRS. O mesmo permite que os resíduos gerados e destinados sejam rastreados. O documento emitido é numerado e deverá acompanhar o transporte […]
15/04/2021

Tudo que você precisa saber sobre Gestão de Resíduos Sólidos

Qualquer tipo de negócio é um potencial gerador de resíduos, uma vez que estamos constantemente utilizando materiais e consumindo alimentos em nossas atividades diárias. Acabar com os impactos negativos da geração de lixo é um desafio e tanto, porém, de alguma forma, essas atividades podem ser mitigadas e gerar impactos positivos de âmbito social, econômico e ambiental. Fazer a gestão […]
31/03/2021

Conheça a IN IBAMA 13/2012

Entre os instrumentos definidos na Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS (Lei 12.305/10), encontramos o Cadastro Nacional de Operadores de Resíduos Perigosos e o Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais. Estes instrumentos estão atribuídos ao SISNAMA – Sistema Nacional do Meio Ambiente – que dispõe como um de seus Órgãos Executores o IBAMA […]
17/02/2021

A inconsciência que degrada, a arte que transforma

Matéria por Ana Rocha O meio ambiente e o resíduo Concordamos que nos últimos 30 anos a humanidade evoluiu em vários aspectos importantes para a nossa sobrevivência. Não podemos dizer que possuímos pouca quantidade de informação sobre como tratar o nosso lixo, já que a internet dispõe de uma tonelada de informações válidas e práticas de como proceder com os nossos […]

Fonte: USP

Em processo de instalação, o Centro de Valorização de Resíduos Orgânicos da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, é o novo projeto coordenado por Ednilson Viana, iniciado por ele com base na colaboração de alunos, e depois com a participação das professoras Silvana Godoy e Sylmara Dias. O projeto, ainda em fase inicial, tem como intenção dar destaque à importância da gestão de resíduos orgânicos no ambiente urbano, e aproximar o gerador de pequeno e médio porte das possibilidades de gestão demonstrando na prática como funcionam.

O pesquisador questiona a dificuldade de realizar uma gestão completa dos resíduos orgânicos em uma cidade como São Paulo, principalmente contando com questões como a malha viária da cidade, e seu trânsito caótico, e por isso vê importância em construir uma cultura de gestão em pequena escala, com eficácia e reduzindo assim o desperdício de resíduos que, por meio de processos biológicos podem ser utilizados para várias finalidades.

No Centro de Valorização de Resíduos Orgânicos, a ideia é mostrar a prática das metodologias de gestão desse tipo de resíduo, para que sirva de exemplo tanto para a população quanto para se tornar em um ambiente de pesquisa na área. “A intenção é mostrar o biodigestor, compostagem, minhocário, e o produto dessa valorização: o composto orgânico, o húmus do minhocário, e também mostrar a produção de gases do biodigestor, ou seja, colocar as fontes geradoras em contato com essas metodologias”, diz Ednilson. Ele explica que o biodigestor produz, através da digestão anaeróbica (processo em ausência de oxigênio, no qual as reações químicas têm origens biológicas, por meio de bactérias) o biogás, que é composto por Metano (CH4) e Gás Carbônico (CO2), e que tem finalidades como a queima para fogões, geração de energia elétrica ou gás veicular – tudo dependendo da quantidade de gás que o sistema é capaz de produzir.

Um dos planos para o Centro de Valorização de Resíduos Orgânicos da EACH é colocar uma pequena usina de produção de energia elétrica, para a visualização do sistema em produção. Além disso, o grupo montará hortas verticais no Centro para proporcionar a visualização para pessoas que não têm espaço para um jardim em suas casas, assim como plantas ornamentais em canteiros no chão. Essas plantas serão cultivadas com e sem a utilização do composto produzido no local para que os resultados sejam comparados.

O tema tem sido discutido na gestão atual da prefeitura de São Paulo e foi incluído no Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Cidade de SP de 2014, que a partir da página 114, discorre sobre o problema dos resíduos orgânicos em sua amplitude. De acordo com o documento, que cita e encoraja iniciativas de aproveitamento de resíduos orgânicos em pequena escala em um dos seus itens, é estimado que no Brasil são desperdiçadas 39 mil toneladas de alimentos, entre sua colheita (8%), indústria (15%) e consumidor (20%). Já na cidade de São Paulo, das 12,3 toneladas de lixo que é recolhido diariamente em residências e estabelecimentos comerciais e públicos, 51%, ou seja, 6,3 mil toneladas, são de resíduos orgânicos. Além disso, outra informação trazida pelo mesmo documento, é que os resíduos orgânicos coletados e dispostos em aterros são responsáveis pela geração de 14% de todo o gás de efeito estufa emitido em São Paulo.

Também no sentido de aproximar o gerador de resíduos de sua gestão, há outro projeto relacionado com o Centro de Valorização da EACH, idealizado pela aluna de mestrado Sulamita França, que é a materialização das informações de gestão produzidas no Centro de Valorização da EACH, em um manual impresso e eletrônico. Este manual terá a função de ser uma ferramenta pensada para facilitar a procura por informação de gestão dos resíduos orgânicos produzidos nas residências e estabelecimentos da cidade de São Paulo.

10/12/2015

EACH cria Centro de Valorização de Resíduos Orgânicos

Fonte: USP Em processo de instalação, o Centro de Valorização de Resíduos Orgânicos da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, é o novo projeto coordenado por Ednilson Viana, iniciado por ele com base na colaboração de alunos, e depois com a participação das professoras Silvana Godoy e Sylmara Dias. O projeto, ainda em fase inicial, tem como intenção dar destaque […]