Mar de plástico
WWF lança petição para exigir aos líderes mundiais ”prioridade máxima” no combate aos plásticos
11/02/2019
Carnauol 2019 é mais um evento Sou Resíduo Zero
15/02/2019

Cidade da Malásia se torna depósito de lixo do mundo

Cidade da Malásia se torna depósito de lixo do mundo

Em 2017 a China havia proibido a importação de resíduos plásticos. Só naquele ano haviam sido enviados sete milhões de toneladas de resíduos e muitos ambientalistas consideraram uma vitória quando a China reprimiu a prática.

Mas sem ter pra onde ir, a maior parte do resíduos plástico, oriundo principalmente do Reino Unido, EUA e Japão, foi simplesmente encaminhada para outro lugar: a Malásia.

Dentre diversas cidades, a cidade de Jenjarom se tornou o local ideal devido a proximidade do maior porto do país e porta de entrada da maior parte das importações de plástico o Jenjarom de Port Klang.

De janeiro a julho de 2018, cerca de 754 mil toneladas de resíduos plásticos foram importados pela Malásia.

As usinas ilegais de reciclagem de plástico começaram a aparecer, na esperança de obterem lucro rápido, avaliada em mais de 3 bilhões de ringgits (cerca de R$2,7 bilhões).

Haviam cerca de 33 fábricas ilegais espalhadas pela cidade de acordo com o Conselho de Estado, mas levariam meses até os moradores tomarem conhecimento da sua existência, só perceberam depois que sintomas de saúde começaram a aparecer.

O resíduo plástico é normalmente reciclado triturados em grânulos milimétricos de resina plástica, que podem ser usados para fabricar outros tipos de plástico.

Nem todo plástico pode ser reciclado, então as usinas de reciclagem precisam enviar o material não-reciclável ​​para centros de descarte – algo que custa dinheiro.

Mas muitas usinas ilegais preferem descartar o resíduo sem pagar nada, de forma insalubre – enterrando, ou mais comumente, queimando.

Aqueles que moravam mais perto das usinas foram os mais afetados.

Belle Tan, que descobriu que havia uma usina ilegal a apenas 1 km da sua casa, revela o impacto no filho de 11 anos.

“Ele teve uma erupção cutânea muito grave na barriga, no pescoço, nas pernas e nos braços. A pele dele continuava descascando, doía até quando tocávamos nele. Eu estava com raiva e temerosa pela saúde dele, mas o que eu podia fazer? O cheiro estava por toda parte.”

Não está claro se essas doenças estão diretamente ligadas à poluição do ar, mas um especialista afirmou que a inalação da fumaça proveniente da queima do plástico provavelmente causou impacto na saúde respiratória das pessoas.

O governo da Malásia já fechou 33 usinas que considera ilegais em Jenjarom e, na maioria dos casos, a fumaça acabou.

Mas as 17 mil toneladas de lixo deixadas por essas fábricas ainda estão lá – e não são insignificantes para uma cidade de 30 mil habitantes.

A maior parte deste lixo foi apreendida pelas autoridades, mas 4 mil toneladas de resíduos plásticos ainda estão concentrados em um único local – à vista de qualquer um.

Uma montanha de resíduos está acumulada no que antes era aparentemente um terreno baldio, mas que agora se tornou um aterro improvisado.

Existe um problema mais amplo – o que Jenjarom revela é que há uma enorme falha no sistema de reciclagem de plástico.

Caso contrário, parece apenas uma questão de tempo até que outras cidades da Malásia – ou no resto do mundo – se tornem a próxima Jenjarom.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *